5 de nov de 2012

Capitúlo XVI


Uma grande visita

Logo os moradores começaram a acordar e viram Adalberon sentado junto a mulher. Agnes não gostou de ver os dois juntos e gritou.
-O que está fazendo com ela?
-Estamos apenas conversando.
Gritou Adalberon que franzia a testa.
-Venha aqui um pouco.
Gritou Agnes.
-Espere um pouco.
Falou Adalberon a mulher.
Então ele se dirigiu até Agnes.
Ela respirou profundamente e soltou o ar bem devagar, então disse.
-Vou ser honesta com você. Eu sou sua mulher e não devo esconder nada do senhor meu marido.
-O que houve Agnes?
Perguntou Adalberon.
Perguntou Adalberon sem entender.
-Eu não gosto daquela mulher...
Respondeu Agnes em um tom mais baixo.
-Mas porque? Ela nem ao menos sabe o próprio nome ou de onde veio.
Respondeu Adalberon já fazendo outra pergunta.
-Eu não sei... Eu apenas não gosto dela.
-Adalberon então colocou as mãos sobre os ombros de Agnes e disse.
-Não se preucupe, ela não nos fará nenhum mau... Eu tenho certeza.
Como pode ter tanta certeza?
Perguntou Agnes.
-Não sei... eu apenas sei...
respondeu Adalberon.
Terminando de falar com Agnes, Adalberon gritou a todos.
-Vamos, está na hora de irmos!
Agnes pôs Alexandros em seu colo, e outro morador carregava Zeno.
No Olimpo o cupido brincava com suas flechas, isso chamou a atenção de Apollo que sempre se gabou do seu grande feito ao matar a serpente gigante Piton.
O Cupido era uma criança de cabelos loiros cacheados e que sempre estava nu, possui uma grande precisão com o arco.
-Criança, larga estas flechas. Você não possui habilidade tão grande quanto a minha com o arco. Isso é uma ofensa!
Falou Apollo.
O Cupido olhou para Apollo e mirou sua flecha como se fosse disparar e falou.
-Minha pontaria é tão boa quanto a sua, não se gabe por ter matado Piton, não foi um feito tão grande assim.
-Garoto insolente, ousa apontar sua flecha para mim o grande Apollo? Abaixe-a!
Pronunciou o deus em grande autoridade.
O cupido então abaixou a flecha e disse.
-Como desejar Apollo.
Apollo então deu as costas e começou a caminhar.
O cupido olhou em direção a ele e falou bem baixo.
-Por ser um dos grandes deuses acha que pode me tratar assim? eu o Cupido, o filho de Afrodite!?
O cupido preparou duas flechas, uma delas era dourada e a outra de chumbo. Ele mirou em direção ao coração de Apollo a flecha dourada que representa o amor, então a disparou.
Apollo que estava a beira do Olimpo observando os mortais em sua caminhada na floresta foi atingido no coração e se apaixonou pela primeira mortal que viu, a mulher que Adalberon encontrou. A flecha feita de chumbo que era a do desprezo ele atirou na mulher a qual o deus se apaixonou.
Apollo caído de amores pela mortal preparou sua carruagem do sol puxada por cavalos de fogo e desceu até a floresta, o que foi um espanto para todos.
-O que é isso?
-Mas o que é essa carruagem de fogo?
Se perguntavam os moradores.
De dentro da carruagem saiu Apollo, um ser gigantesco, parecia possuir uns 3 metros, com cabelo curto e encaracolado que possuía um tom vermelho, bastante musculoso e vestia um manto que cobria parte do seu corpo, seus olhos pareciam brasa e usava um colar com um pingente que parecia ser um olho envolto por um circulo dourado que possuía algumas inscrições.
A mulher a qual o deus se apaixonou, com muito medo dele se escondia atrás de Adalberon. O deus então disse em alta voz.
-Onde está a mulher a qual tão repentinamente tomou meu coração? Aquela que possui o mais belo rosto e o cabelo mais brilhante o qual reflete magnificamente a minha luz?
Adalberon então perguntou.
Quem é você?
-Vejo que realmente estão perdidos, não conseguem mais identificar o seu deus sol? Ajoelhem-se diante de mim.
Ordenava o deus.
todos se ajoelharam menos a mulher.
Adalberon segurou o braço dela como se pedisse para ela abaixar.
O deus então olhou para ela e disse.
-Então está ai, a mulher a qual amo, venha comigo ao Olimpo, seja minha mulher.
A mulher com muito medo do deus disse.
N... não, não... eu não quero ir.
O deus andou em direção a ela, e ela com medo dava passos para traz. Ela estava em um estado de medo tão grande que as lágrimas escorriam involuntariamente de seus olhos.
Ao dar mais um passo para traz ela tropeçou e caiu, o deus então ficou de frente para ela e estendeu sua mão em direção, a mulher então deu um forte grito.
Adalberon estava muito assustado com a presença do deus, mas se preparava para levantar e tentar defender a mulher.
No momento em que ele iria levantar um outro morador levantou mais rápido e gritou.
-Não encoste nela!

Um comentário:

  1. Apolo vai chorar rios o/
    Vai Adalberon, sei que você quer tirar uma casquinha .-.

    ResponderExcluir